Post Icon

Book Haul: Janeiro à Abril de 2018



Olá Pessoal, tudo bem?

E continua a saga de tentar colocar esse blog em dia, será que um dia conseguiremos???

E tentamos não comprar livros, não acumular já que possuímos tantos não lidos, mas às vezes, é irresistível comprar uma ou outra coisinha... por isso, aqui vamos nós depois de um bom tempo Book Haul, dessa vez reunindo tudo o que chegou em casa desde janeiro à abril basicamente de duas origens: Apoio no catarse e Turista Literário.

Catarse

1 - Machado de Assis - Caçador de Monstros - Marcelo Alves & Sami Souza (Primal Studio): Esse é um quadrinho no estilo mangá (mas a orientação de leitura é ocidental mesmo) que imagina Machado de Assis como um caçador de criaturas, e para quem gosta da obra do autor é legal porque ele interage com alguns de seus personagens, incluindo, o Brás Cubas. É para ser o primeiro da serie, mas não se se ou quando serão lançados os outros. Li em Janeiro.

2 - Samurai - Primeira Batalha - Mylle Silva et. al: É um livrinho extra, desenhado e escrito só por mulheres, um projeto especial dentro do projeto, ele se passa depois dos eventos dos quadrinhos principais, mas não é essencial para o entendimento da história. Ainda não li.

Turista Literário
3 - Dias de despedida - Jeff Zentner (Seguinte): Esse é o livro de Dezembro de 2017, mas só chegou em 2018, portanto, esta por aqui. É a história de um adolescente que perde os três melhores amigos em um acidente de carro e se sente culpado, pois aparentemente o motorista estava respondendo a uma mensagem dele quando se acidentou. Esse livro foi muito bem comentado, mas apesar dele ter morado por um longo tempo na minha cômoda, ainda não foi lido.

4 - A canção das águas - Sarah Tolcser (Plataforma 21): foi o livro de Janeiro e tem uma capa lindíssima é de fantasia e envolve barcos, não sei muito mais que isso, mas confesso que estou um pouco sem saco para series, então apesar de achar essa capa maravilhosa o livro vai esperar um pouco.

5 - De volta para casa - Seanan McGuire (Morro Branco): esse também é o livro 1 de uma serie, mas ele encerra bem em si mesmo, por isso, estou pensando se vou ou não ler o próximo. Aqui temos jovens e crianças que foram para diferentes mundos utilizando portais, mas que de alguma forma precisaram voltar ao nosso mundo, mas não conseguem mais se adaptar. Falei um pouco sobre ele em um destaque no instagram e no Lidos de Março.

6 - A garota que bebeu a lua - Kelly Barnhill (Galera Record): Ganhei esse livrinho no sorteio do turista e veio na minha caixinha de Fevereiro, se passa em um povoado onde todos os anos a criança mais jovem é dada em sacrifício para a bruxa da floresta, porém a tal bruxa não consegue entender o porquê das pessoas daquele lugar serem tão cruéis e abandonar as pobres crianças na floresta. Um livro sensível e com uma leitura supergostosa. Mais sobre ele.

7 - A caçadora de dragões - Kristen Ciccarelli (Seguinte): livro de março mais o livro 1 de uma serie de fantasia YA, mas confesso que todos os livro aqui listados é o que estou menos empolgada, porém recentemente a Thamires do Resenhando Sonhos fez comentários bastante positivos e que aumentou um pouco o meu interesse, mas não o suficiente para passa-lo na frente de nada.

8 - Garotas de neve e vidro - Melissa Bashardoust (Plataforma 21): livro de abril, nunca tinha ouvido falar desse livro, mas foram tantos comentários positivos, que de todos esses livros esse é o que eu estou inclinada a ler primeiro. É um reconto de Branca de Neve, mas parece que a relação entre a rainha e a princesa é muito diferente da que conhecemos e é livro único de fantasia (uhuuu!!!!).


9 - Entre el honor y la espada - Juan David Morgan (Planeta): foi minha única compra, adquirido na minha viagem de férias no Panamá trata-se de um romance histórico sobre Henry Morgan, o pirata responsável pela destruição do Panamá. Comecei a ler, mas estou lendo em doses homeopáticas.

Bom foi tudo isso.....
Vocês podem até pensar que não foi tanto assim, mas se vissem a quantidade de não lidos da minha estante se assustariam, principalmente, esses dias que minha leituras estão bem empacadinhas, mas leitor que é leitor é assim mesmo sempre quer mais um livro.

E vocês já leram algum desses livros? Por qual eu deveria começar?

Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

O misterioso caso Styles

Agatha Christie
 
“Poirot sorriu.
– Você deu excessiva rédea à sua imaginação. A imaginação é boa servidora e mestre ruim. A explicação mais simples é sempre a mais provável.”
 


No meio da madrugada, a rica proprietária da mansão Styles é encontrada morta em sua cama, aparentemente vítima de um ataque cardíaco. As portas do quarto estavam trancadas por dentro e tudo indicava morte natural. Mas o médico da família levanta uma suspeita: assassinato por envenenamento. Todos os hóspedes da velha mansão tinham motivos para matar a Sra. Inglethorp e nenhum deles possuía um álibi convincente. Para solucionar o crime entra em ação o detetive Hercule Poirot, irresistível personagem criado por Agatha Christie, que faz a sua estreia neste caso intrigante. Um marco da literatura policial e um dos maiores romances do gênero.

Olá Pessoal, tudo bem?
 
E por incrível que pareça esse foi meu primeiro contato com a grande mestre do crime e mistério, e ouvi o mesmo em audiolivro e foi uma boa experiência.
 
Esse foi o primeiro livro escrito pela autora e sendo também a primeira aparição do icônico detetive Hercule Poirot, um detetive belga baixinho, com um grande bigode e uma cabeça de ovo, que se orgulha de resolver os casos utilizando o cérebro, nem um pouco modesto e com um pouco de toque se recusando a ficar em um ambiente se os objetos não tivesse organizados simetricamente.
 
Nesse livro, Mr. Hastings esta hospedado na mansão Styles, onde o seu amigo John Cavendish vive com a esposa, o irmão, a madrasta e seu novo esposo, além de, uma agregada e muitos empregados. Em uma certa madrugada todos são despertados pelos gritos da Sra. Inglethorp que acaba falecendo envenenada, são muitos os suspeitos, praticamente todos os moradores da casa e ninguém tem realmente um bom álibi. Então, Hastings acaba sugerindo a John que o mesmo procure a ajuda do grande detetive belga Poirot.
 
Vamos entrando em contato com as pistas do crime a medida que o detetive as descobre, mas eu não consegui descobrir quem era o responsável, porque as vezes as pistas se desmentiam e além disso, é difícil separar o que realmente é uma pista daquelas pequenas coisas que não agregam nada no esclarecimento do crime, portanto, eu me senti tão perdida quanto Mr. Hastings. Porém, é importante salientar, que eu não sou uma leitora frequente de livros de crime e mistério e se você é provavelmente se sairá melhor que eu.
 
Outra coisa que, eu não fazia a menor ideia é que Poirot também tem o seu Watson, no caso, Mr. Hasting, que também quer ser um detetive, mas que na maioria das vezes fica tão perdido quanto a gente tentando acompanhar o raciocínio de Poirot. E o Poirot, às vezes, dá uma humilhada no pobre Hasting, muitas vezes tratando o mesmo com condescendência como se não tivesse a mesma capacidade cognitiva. Esse parece ser o jeitinho do Poirot - humildade é seu nome do meio.
 
Gostei bastante da experiência e ainda quero ler outros livros da autora, mas acredito que se eu tivesse conhecido a mesma quando eu comecei a ler Sidney Sheldon, hoje eu com certeza seria uma fã da autora.
 
E vocês são fãs da Dama do Crime?
 
Livro: O misterioso caso de Styles
Autor: Agatha Christie
Editora: Bestbolso
196 páginas
 
Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

Lidos: Abril/2018



Olá Pessoal, tudo bem?

Depois de uma paradinha para o Especial Dia da Toalha, voltamos a tentativa de colocar as coisas em dia aqui no blog.

Até que o mês rendeu em leituras, até porque esse foi um mês em que eu viajei e geralmente não leio muito quando viajo, mas 4 livros foi uma quantidade bem boa para mim. E foram bons livros, com diferentes temas.


1 - A garota que bebeu a lua - Kelly Barnhill (Galera Record): uma fábula onde um povoado triste e oprimido todos os anos sacrifica uma das suas crianças em troca de proteção contra uma suposta bruxa, no entanto, a mesma bruxa não consegue entender porque as pessoas são tão más e abandonam os seus pequenos na floresta, aos quais, ela acolhe e leva para serem adotados nas cidades livres do outro lado da floresta. Um dia sem querer ela acaba alimentando uma dessas crianças com a luz da lua, dessa forma, dando poderes mágicos a mesma, assim ela passa a cuidar ela mesma dessa criança. Enquanto isso, a vida segue triste e pesada no povoado do protetorado até que um homem que nunca se conformou com essa situação decide confrontar a bruxa. O livro é muito envolvente e surpreendente e te mantém envolvido com a história e seus personagens do começo ao fim, você simplesmente se importa com todos eles. É um livro cheio de camadas e sendo uma fábula pode ser lido com diferentes interpretações, desde a leitura mais superficial como simplesmente uma história fantástica de bruxas, até uma alegoria um pouco mais elaborada sobre opressão e ditadura do medo. Vale muito a pena a leitura. ★★★★★



2 - Para Sir Phillip, com Amor (v.5) - Julia Quinn (Arqueiro): e já batemos o recorde de leitura de romances de época no ano, acho que nunca li mais do que 2 esse ano estamos no quarto, uma vez que, eu li a Triologia dos Irmãos McCabe, mas Julia é rainha. Aqui temos Eloise, a irmã que tinha escolhido ser solteirona, até que sua melhor amiga e companheira se casou, então ela decide dar uma chance e conhecer Sir Phillip, um homem com o qual ela vem trocando cartas sistematicamente. Porém quando os dois se encontram eles não são exatamente o que um esperava do outro, ele é bonito, porém rustico, calado e introvertido e é claro, esqueceu de mencionar os filhos (uma dupla de pestinhas), ela independente, não se cala nunca e tem uma opinião para tudo. É um livro sobre superação, segundas chances e recomeços. E mais uma vez a autora não erra na fórmula e no final lá estamos nós novamente com o coração quentinho e com um sorriso bobo no rosto. Post no blog. ★★★★☆


3 - Todo dia - David Levithan (Record): esse foi o segundo livro da minha meta lido, ou seja, estou bem atrasada, mas estamos no jogo. Falando sobre o livro ele tem um enredo bastante diferente, onde um ser chamado A não possui um corpo e todos os dias ocupa corpos diferentes, independente de sexo, raça ou condição social, e ele já estava acostumado com essa vida sem raízes, vivendo um dia de cada vez, sem interferir diretamente na vida de seu anfitrião até que um dia ele conhece Rhiannon, a namorada de Justin, o corpo que ele esta no momento. A partir de então, ele passa a buscar uma forma de se encontrar com Rhiannon e viver o seu amor. O interessante é que vivemos junto com A o dia-a-dia das diferentes personagens que ele ocupa, seus problemas, anseios, medos e tristezas, o que foi uma sacada muito interessante, porque dessa forma é possível discutir muito problemas como problemas psicológicos como depressão, drogas, a questão de gênero e outros. O livro é muito bem escrito e consegue te manter interessado e a história de amor convence. Portanto, recomendo a leitura do mesmo. Post no blog. ★★★★★



4 - Cyberstorm - Matthew Mather (Aleph): essa é sci-fi que traz uma história apocalíptica, mas não é um apocalipse que já vimos por aí, aqui temos um ataque cibernético onde os principias sistemas que alimentam as grandes cidades: logística, energia elétrica e distribuição de água são interrompidos, tudo isso, associado a uma rede de boatos, com noticias de possíveis epidemias, mais a falta de comunicações oficiais levando a difusão de teorias da conspiração e a maior nevasca dos últimos tempos levaram o verdadeiro caos a Nova Iorque. Pessoas lutando pela sobrevivência da forma que podem, vendo seus instintos animais a tempos dormentes voltando a ditar comportamentos. Em meio a tudo isso, Mike que vive uma crise no casamento luta para manter sua família em segurança. O livro me deixou tensa do inicio ao fim, até porque o cenário apolítico desenhado me pareceu em alguns momentos mais que possível e sim provável. Além da ação, que para mim é o principal do livro, pessoas buscando a sobrevivência, o livro ainda traz várias discussões sobre o uso das tecnologias, segurança e liberdade. Gostei bastante, mas é um livro que não é nenhuma unanimidade é só ver as resenhas no skoob, mas se você curte uma história de sobrevivência provavelmente esse livro é para você.  Post no blog. ★★★☆☆


Por hoje é isso,
Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).


  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

Cyberstorm - Dia da Toalha #6

Matthew Mather
''Fui tomado por uma forte sensação de déjá vu, mas não por nada que já tivesse vivido. Parecia que eu estava vivendo as histórias que Irena me contara a respeito do sítio a Leningrado, setenta anos antes. Aquela ciberguerra não parecia ter nada a ver com o futuro, mas, sim, ser parte do passado, como se estivéssemos retrocedendo em direção à infindável habilidade que os seres humanos têm de infligir sofrimentos uns aos outros.
Para ver o futuro, bastava olhar para o passado.''

Em meio a uma forte tensão política internacional, os Estados Unidos sofrem um grande ataque cibernético: todos os meios de comunicação começam a falhar. Ao mesmo tempo, uma forte tempestade de neve assola a cidade de Nova York, e uma possível epidemia de gripe aviária parece se aproximar. Presos na cidade e quase sem contato com o resto do mundo, os moradores de repente se veem imersos em um cenário verdadeiramente apocalíptico. Enquanto rumores e especulações correm sobre a origem desses ataques, Mike Mitchell se concentra em questões que para ele parecem mais urgentes. A crise o atingiu em um momento crítico de sua vida, complicando seus já confusos problemas pessoais e financeiros. Agora, sua prioridade é manter a família unida e viva no crescente caos que se que se forma a sua volta.
Olá Pessoal, tudo bem?
Esse livro me chamou a atenção pelo enredo desde o seu lançamento e por fim, acabei conseguindo em uma troca no Skoob. É um livro sobre o apocalipse, mas ao contrário do que vemos por aí não envolve, aliens, zumbis ou um guerra nuclear, dessa vez, enfrentamos um inimigo invisível e difícil até de detectar, pois estamos enfrentando uma cyberguerra.
O livro inicia em Nova Iorque, onde Mike vive um momento de crise no casamento, a esposa de família rica não parece satisfeita com a vida que eles levam em um apartamento pequeno, mas muito bem localizado em plena Manhattan em um edifício super moderno, tecnológico, cujo os principais sistemas são gerenciados via internet. Ele trabalha com redes sociais, ela parou de trabalhar quando ficou grávida, mas os pais tinha grandes planos para ela como advogada e quem sabe até um cargo politico.
Próximo ao Natal as coisas começaram a ficar estranhas, primeiro um ataque de um vírus deixou os sistemas de logísticas malucos e as entregas não puderam mais ser feitas e de repente inicia o caos, caí a internet, na televisão alguns noticias desencontradas de conflitos do golfo da China, estariam o EUA sob ataque, noticias sob surto de gripe aviária, seguidas de outros boatos sobre surtos, um acidente grave de trem, aviões teriam sido abatidos? E então uma queda na energia elétrica seguida pela parada no fornecimento de água tudo isso em  meio a maior nevasca ocorrida em Nova Iorque nos últimos tempos.
O vizinho e melhor amigo de Mike, Chuck é um sobrevivencialistas, aquelas pessoas que sempre estão esperando por uma catástrofe, e esta melhor preparado para enfrentar essa situação, ele e Chuck se unem a alguns vizinhos e tentam se manter em segurança, conforme orientação do próprio presidente, que pede a todos que se mantenham em segurança, pois essa situação será normalizada em breve.
O problema é que com tudo isso acontecendo Nova Iorque esta isolada, sem comunicação, sem noticias oficiais as teorias de conspiração são alimentadas pelos boatos e o pânico se espalha, o instinto de sobrevivência predomina e já não se sabe em quem confiar. Vizinhos se olham de maneira desconfiada, todos parecem se acusar mutuamente. No meio a esse caos Mike só quer proteger a sua família, fazer com que eles sobrevivam a esse apocalipse.
O livro me deixou tensa do inicio ao fim, é muito fácil se colocar no lugar deles, pois é um cenário hipotético que parece mais fácil de acontecer. Quais são as reais proteções que temos na internet? Se um tipo de ataque desse ocorresse teríamos como reverter a situação de forma rápida?
Há grandes discussões ao longo do livro, como por exemplo, quando uma empresa de oferece um serviço gratuito (uma rede social, um app qualquer, um jogo e etc) na verdade não é nada gratuito, uma vez que, eles se apoderam de nossas informações e nossos dados que são comercializados das mais diversas formas (não se esqueça no escândalo do facebook nas eleições americanas - Dados de Milhões de usuários foram usados em campanha politica), qual seria a melhor forma de proteger a rede? Vigiando tudo, diminuindo a liberdade ou a aparente liberdade que temos na rede, uma vez que, hoje mesmo nos dados podem estar na mão de pessoas que se quer imaginamos.
Além dessa, que é a grande discussão é discutido politica, a ação dos hackers e o quanto governo e instituições tradicionais como exercito e policia estão preparados para essa nova realidade de uma ambiente cibernético, mas que cada vez mais se mistura ao nosso mundo real.
Os momentos de tensão, luta pela sobrevivência e medo real são os melhores do livro, vi muita gente reclamando sobre a falta de profundidade dos personagens, mas eu acredito que o livro entrega aquilo a que se propõe, um livro de sobrevivência que nos leva a pensar a questão da tecnologia com mais seriedade, se hoje perdemos a internet não perderíamos apenas instagram, youtube e whattapp, mas toda uma rede de fornecimento básico que hoje estão ancoradas na internet.
Esse livro não é uma unanimidade entre leitores, teve muita gente que não gostou nada (veja as resenhas no skoob), mas se você gosta de uma história de sobrevivência, provavelmente esse é um livro para você.
"A violência... não deveria ter me surpreendido. Seres humanos eram violentos... cada um de nós só estava vivo porque nossos ancestrais tinham matado e comido outros animais, vencido todo o resto para sobreviver... éramos assassinos, matando antes de sermos mortos!"
Desafio a você terminar esse livro e não pensar em fazer algum tipo de preparação para uma catástrofe, talvez um pequeno estoque de alimentos, água, uma pilhas quem sabe?
Livro: Cyberstorm
Autor: Matthew Mather
Editora: Aleph
368 páginas
Por hoje é isso,
E vocês conhecem esse livro? Gostam de sci-fi e livros sobre apocalipse?
Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

5 Motivos para assistir: Sense8 - Dia da Toalha #5


Olá Pessoal, tudo bem?

E continua o nosso especial: Dia da Toalha e dessa vez, vou trazer mais uma serie incrível, a qual, estou completa e totalmente viciada, terminei a primeira temporada e já comecei a segunda até porque esta previsto para 8 de junho o episódio final para encerrar a serie, fiquei muito triste ao saber que não haveria uma nova temporada, mas espero que esse episodio tenha tempo suficiente para fechar a trama.

Sense8 é uma ficção cientifica, dirigida, escrita e produzida por Lilly e Lana Wachowski (Matrix) e por J. Michael Straczynski, uma produção da Netflix, que conta a história de oito pessoas que estão ligadas entre si, elas conseguem ver e sentir o que a outra sente, eles são os chamados sensates, uma outra espécie de hominídeo, tão parecidos com os homo sapiens que se misturam em sociedades. Mas o problema é que tem algumas pessoas que não aceitam a existência dos mesmos e os caçam. Quando você começa a assistir a serie é tudo meio confuso porque caímos no meio desse enredo confuso sem muita explicação, mas conforme você vai assistindo se vê cada vez mais envolvido.

Gostei desse negócio de motivos para assistir, então vamos lá:

1 - Enredo Original: a serie realmente traz uma história inovadora e inédita, pessoas que se conectam umas as outras de uma forma completa, com acesso aos pensamentos, sentimentos e emoções, e a forma que isso é explicado parece realmente plausível, eu também já me perguntei mais de uma vez porque o Homo sapiens é a única espécie de hominídeo. Vi algumas pessoas comparando a serie a Heroes e Jumper, mas na verdade, o enredo é bastante diferente.


2 - Diversidade: cada um dos protagonistas tem uma origem diferente, são de partes do mundo diferentes, com diferentes histórias e experiências e isso traz uma gama enorme de vivencias, problemas e experiências. Uma hacker trans, um ator mexicano gay, uma islandesa envolvida em relacionamentos abusivos, um queniano pobre e com a mãe com AIDS, uma indiana prestes a se casar, um alemão envolvido com o crime e um policial tentando cumprir o seu dever, além de uma sul coreana super "badass" que participa de luta livre escondida.


3 - Locações incríveis: os personagens vivem e diferentes lugares do mundo, portanto, a serie é filmada nesses lugares, vemos o colorido incrível e festivo da Índia, as paisagens geladas e lindas da Islândia e muitos outros.



4 - Cenas de ação: tem uma organização do mal atrás dos sensates, e além disso, individualmente, alguns deles se metem em muitas confusões, portanto, o que não faltam são cenas de luta incríveis não esqueçam que temos uma lutadora de verdade, e bem nosso querido Wolfgang não fica atrás e o Will também manda muito bem, e com o lance de se conectarem as lutas ficam ainda melhores.



5 - Trabalho em equipe de pessoas comuns: são pessoas completamente diferentes que precisam trabalhar juntos, compartilhar o bom e o ruim para se manterem bem e vivos. E eles são pessoas comuns, a Kara é farmacêutica, portanto, até eu estou representada dentro do universo da serie.




Esses são só alguns motivos para você assistir a essa serie incrível, espero que eu tenho conseguido convencer vocês a dar uma chance para se viciar nela, assim  como eu.

Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

A ilha do Dr. Moreau - Dia da toalha #4

H. G. Wells

"Um animal pode ser feroz e pode ser sagaz, mas para dizer uma mentira é necessário ser um homem de verdade."
 
 
À deriva, sem esperanças de sobreviver em alto mar, Prendick é resgatado por um navio em missão das mais incomuns: levar a uma pequena ilha no Pacífico algumas espécies de animais selvagens. Ainda debilitado, Prendick é obrigado a desembarcar na ilha junto com o carregamento. Lá, ele conhece a figura do dr. Moureau, um cientista que, exilado por suas pesquisas polêmicas na Inglaterra, realiza experimentos macabros com seus animais. Uma parábola sobre a teoria da evolução, também uma mordaz sátira social, "A ilha do dr. Moreau" é um romance que, mais de cem anos após sua publicação original, permanece com a mesma força da surpresa e do horror.


 
Olá Pessoal, tudo bem?
 
E para encerrar nosso Especial Dia da Toalha hoje temos um clássico, mistura de sci-fi, terror e história de aventura, contada em forma de relato em primeira pessoa  a história de Prendick que depois de um naufrágio é resgatado por um barco com ocupantes no mínimo estranho, cheio de animais e pessoas um pouco estranhas. Depois de uma certa indecisão quando o capitão do navio exigiu que Prendick deixasse o navio e Dr. Montgomery (o homem que o resgatou) não queria deixar que o mesmo ficasse na ilha. ele acaba desembarcando. E a ilha é ainda mais estranha do que o navio, cheio de criaturas estranhas e com um morador ainda mais excêntrico Dr. Moureau, um cientista, exilado que realiza suas pesquisas bizarras na ilha, realizando vivessecações em animais criando espécies híbridos entre homens e animais.
 
O livro traz diversas discussões algumas em bastante alinhamento com o pensamento da época - século XIX, como a questão relacionada a colonização, a exploração e a imposição de um povo sobre o outro, o preconceito, inclusive em muitos momentos as criaturas são chamadas de negroides. O principal assunto é a critica a vivissicação, que é o ato de fazer uma disseção nos animais enquanto eles ainda estão vivos, e na época isso gerou uma polemica tão grande que foram criadas comissões para investigar esse tipo de procedimento. A teoria da evolução também é um outro tópico que o livro nos leva a refletir.
 
Outra grande polemica foi a critica a religião, Dr. Moureau criou uma espécie de religião como forma de controlar as criaturas, nessa religião eles repetiam uma algumas frase como se realmente fosse orações, e muitas pessoas interpretaram isso como critica as religiões estabelecidas.
 
"A lei - que eu os vira recitando - lutava em suas mentes contra os impulsos selvagens profundamente arraigados em sua natureza."
 
É um livro bem curto e mesmo assim, suscita grandes reflexões, inclusive uma bastante interessante sobre as mudanças psicológicas que experiências fortes podem trazer.

Agora com relação a narrativa ele tenta fazer um suspense, mas a verdade é que logo que começamos o livro já sabendo o que irá acontecer, mas mesmo assim a história consegue criar um clima de tensão que vai crescendo aos poucos.

Não amei o livro, mas achei interessante e intrigante.
 
Livro: A ilha do Dr. Moreau
Autor: H.G. Wells 
Editora: Alfaguara
170 páginas

E vocês já leram o livro?

Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Post Icon

8 Motivos para assistir: Orphan Black - Dia da Toalha #3


Olá pessoal, tudo bem?

Continuando nosso especial Dia da Toalha hoje temos dica de série e sim, não é uma serie nova, porque eu estou sempre atrasada nas series... rs... e para falar a verdade ainda não finalizei (estamos na quinta temporada) porque essa é uma serie que assisto com os meus amigos e nem sempre conseguimos assistir. Mas afinal, do que fala essa serie?

Essa é uma serie canadense de ficção cientifica e suspense criada por Graeme Manson e John Fawcett, estrelada pela incrível Tatiana Maslany. Sarah Manning é uma mãe solteira, com um estilo sou perigosa, meio punk que esta com problemas com o namorado traficante e que assiste o suicídio de uma mulher que exatamente igual a ela, Elizabeth Childs uma policial que salta em frente a um trem, deixando a bolsa com documentos e pertences pessoais para trás. Sarah, então decide assumir a identidade de Beth, com a intenção de pegar o dinheiro e fugir, no entanto, a situação se complica e ela acaba conhecendo outras mulheres iguais a ela: Cosima, uma cientista incrível e super-estilosa e Alison, uma dona de casa e mãe do subúrbio super tensa. E não é que essa serie já gerou até uma versão japonesa.

Vamos aos motivos para você assistir:

1- Narrativa: Quantas vezes vemos um enredo interessante e com grande potencial se perder em uma narrativa confusa e mal construída, isso não acontece nessa serie. Todas as histórias, tramas e sub-tramas são bem construídas. Nenhum personagem surge por acaso na história e nenhum Cliff-hanger é colocada na história por acaso. Toda a história é muito bem amarrada, alguns mistérios vão sendo revelados, enquanto outros vão surgindo.

2 - Fotografia e efeitos: toda a parte cenográfica, efeitos especiais e fotografia da serie é muito bem feita, os cenários são ótimos, a qualidade das cenas de ação e perseguição tem qualidade de cinema. Fora que quanto temos mais de uma clone em cena, os efeitos são tão bem feitos que esquecemos que aquela cena deve ter sido filmada diversas vezes e sobrepostas em estúdio.


(Uma das melhores cenas com as clones juntas)

3 - Tatiana Malany: não tem como não considerar essa grande atriz como um dos motivos para assistir a serie, ela interpretou mais de dez personagens, sendo quatro delas as personagens principais. Mas não é simplesmente porque ela interpreta mais de um personagem, não cada uma delas é uma pessoa muito diferente, com personalidade, jeito de se comportar, andar e falar/sotoque diferentes. É tão incrivelmente bem feito que até quando uma das clones esta tentando se passar pela outra a gente consegue perceber, é como se a Tatiane cria-se uma terceira interpretação. Isso é tão marcante que frequentemente me esqueço que se trata da mesma atriz, o Emmy que ela recebeu é até pouco, deveria ter recebido mais. Uma curiosidade é que a Tatiana até criou uma playlist especial para cada uma das clones de forma a ajudar a entrar nos personagens.


4 - Clones: o clube da clones, como não amar no começo elas se estranham um pouco, principalmente a Sarah e Alison que são diferentes, e claro, tem a Helena, que bem é a Helena, mas a partir do momento que elas passam a se chamar de irmãs, vemos uma relação linda e sólida passa a ser construída. Elas sabem que podem confiar umas nas outras, mesmo que não possa confiar em mais ninguém, e se apoiam incondicionalmente. Fora que as personalidades e histórias delas são muito bem desenvolvidas. Sarah a garota problema, mas que é totalmente fiel e protetora com aqueles que ela ama, ela é forte, "badass", sempre toma frente nas ações e faz de tudo para proteger sua filha Kira e o clube. Cosima, inteligentíssima, a cientista que busca uma forma de entender quem elas são e como ajuda-las, além disso, ela sempre esta lá para as irmãs, sempre.. e traz uma parte mais romântica para a história, ela é gente como a gente sofre nos relacionamentos e quer ser amada. Alison, uma mãe superprotetora e estressada, doidinha e divertida também não tem limites quando o negocio é cuidar da família. Helena, a doidinha de pedra que mora nos nossos corações, e claro, temos a Rachel que não esta no clube, mas que tem uma personagem extremamente complexa.



5 - Girl Power: as personagens femininas são muito fortes, além das clones, temos Delphine, outra grande cientista, a senhora S, uma mulher feroz e que faz tudo pela família, e até mesmo Kira, uma garotinha mais que especial é muita mulher forte junto.



6 - Representatividade: eu preciso dizer que essa serie tem representatividade, as clones vem de diferentes lugares, com diferentes profissões e sexualidade e tudo isso com naturalidade como tem que ser.

7 - Felix: quem não quer ser amigo do Felix, divertido, companheiro, uma artista maluquinho que pinta pelado, mas que sempre esta mais que disposto a ajudar as clones. Jordan Gavaris, que interpreta o personagem também é incrível.



8 - Paul: Se eu não coloca-se ele nessa lista ela não estaria completa, acho que não preciso falar nada é só ver essa foto. (Esse motivo não é para levar a serio, não pensando bem é sim...rsrs..).



Por hoje é isso,

Se você ainda não assistiu a essa serie, recomendo que corra agora para a Netflix.
 
Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes) e  Instagram (danimoraes02).
 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS